Levando em consideração que muitas pessoas não têm tempo ou conhecimento para encontrar as melhores aplicações disponíveis no mercado, contar com os serviços de uma assessoria de investimentos tende a ser uma boa ideia.

Cabe à assessoria entender o perfil de seu cliente e, assim, orientá-lo e oferecer opções de investimentos que atendam às suas necessidades. Desse modo, ele pode continuar dedicando seu tempo à função de onde aufere seus rendimentos, enquanto confia o cuidado de suas aplicações a uma assessoria de investimentos especializada.

Por meio do auxílio prestado por uma boa assessoria, o investidor pode otimizar suas aplicações e até mesmo alcançar a sonhada independência financeira, mas é importante que ele tome alguns cuidados antes de decidir qual instituição lhe prestará esses serviços.

Continue a leitura e conheça 5 aspectos que devem ser avaliados antes de se contratar uma assessoria de investimentos!

1. Histórico e solidez da assessoria

O primeiro ponto a ser considerado é o histórico da instituição. É necessário se informar a respeito de sócios e colaboradores. Nesse momento o Google é uma ferramenta útil, pois, por meio dele, é possível verificar informações sobre os assessores e se existe algum processo contra eles na CVM, por exemplo.

Conversar com conhecidos que atuem no mercado financeiro e, se possível, com clientes da assessoria, também é um meio eficaz de conseguir informações verdadeiras sobre a empresa. Esses cuidados são importantes para garantir a idoneidade da instituição antes de confiar a ela qualquer recurso.

Um indício importante a ser considerado antes de fazer uma escolha é o patrimônio de que a assessoria cuida: instituições que administram montantes maiores contam com mais clientes, o que é um indicativo de que prestam um bom serviço. O tempo é outro fator fundamental: empresas que estão há mais tempo no mercado são mais sólidas e se mantiveram no mercado, sobrevivendo aos ciclos econômicos.

2. Qualificação dos profissionais

Antes de aceitar conselhos de um profissional, é necessário verificar se ele tem as qualificações necessárias para a tarefa. Portanto, é importante conhecer o currículo do agente responsável por seus investimentos e confirmar suas experiências e habilidades.

Faculdade, cursos de especialização e pós-graduação são requisitos fundamentais em qualquer profissão, mas, para o assessor de investimentos, a vivência de mercado e o conhecimento a respeito dos mais diversos produtos financeiros se faz essencial.

Um meio de conferir as competências do assessor é verificar na Ancord (Associação Nacional das Corretoras e Distribuidoras de Títulos e Valores Mobiliários, Câmbio e Mercadorias ) e na CVM (Comissão de Valores Mobiliários) — instituições responsáveis por certificar e fiscalizar agentes autônomos e assessorias de investimento — se ele está cadastrado e certificado.

É preciso levar em conta que certificações como a CPA-20 e a CFP são importantes, mas é interessante que, somada a elas, o profissional conte com uma experiência sólida no mercado financeiro.

3. Corretora ou instituição por trás da assessoria

A maioria das assessorias precisa trabalhar junto a uma corretora para oferecer seus produtos financeiros, por isso é importante colher informações a respeito dessa empresa parceira, do mesmo modo que foi feito com a assessoria de investimentos, para garantir sua idoneidade.

O benefício de contar com gestores ligados a instituições sérias é que elas costumam estipular normas de comportamento e atuação para garantir que os agentes trabalhem com as melhores práticas de mercado e ofereçam serviços de qualidade.

Alguns assessores atuam diretamente com os gestores de fundos e financeiras. Essa prática não é necessariamente ruim, mas, uma vez que eles estão em contato direto com os ativos, sem uma corretora por trás, é possível que não exista fiscalização sobre seus modos de operação, o que pode representar um risco.

Portanto, é necessário confirmar com o agente qual instrumento ele utilizará para fazer os investimentos. Depois de ouvir a resposta, cabe ao investidor buscar informações sobre o meio para decidir se é seguro ou não.

4. Alinhamento de interesses

É preciso levar em conta que assessorias de investimento costumam ter perfis diferentes: enquanto algumas costumam se dedicar a investimentos em renda fixa, investimentos com maior estabilidade, outras preferem dar ênfase a aplicações arriscadas, mas que ao mesmo tempo oferecem a oportunidade de se auferir lucro mais rápido. Por isso, é necessário que o investidor escolha uma assessoria financeira que esteja alinhada a seu perfil e atenda às suas necessidades.

Outro ponto que merece atenção é a respeito dos rendimentos da assessoria. É importante entender como os agentes financeiros recebem por seu serviço. A remuneração de assessoria pode ocorrer de três modos distintos. Entendê-los a fundo é essencial para a eficácia de seus investimentos.

4.1 Taxa “zero”

Hoje em dia é muito comum que assessorias não cobrem taxas de administração, mas, nesse caso, como o agente é remunerado? A resposta é simples: ele recebe uma comissão sempre que leva seus clientes a aplicar em um investimento.

A questão que fica é: se o assessor recebe uma comissão por indicar determinado investimento, como garantir que a assessoria visa ao interesse de seus clientes em vez de receber comissões mais elevadas?

Infelizmente não são raras as vezes em que assessores recomendam aplicações que não são as mais adequadas para o seu cliente, mas garantem para eles uma boa remuneração, como o COE. Alguns agentes chegam até mesmo a induzir seus clientes a aplicar em operações de renda variável, sem orientá-los a respeito dos riscos envolvidos, com objetivo de receber uma comissão mais alta.

Portanto, é sempre válido encarar com cuidado descontos e taxas reduzidas.

4.2 Taxa de gestão

Apenas empresas previamente autorizadas, como por exemplo a Claritas Investimentos, tem a prerrogativa de cuidar da gestão de ativos. Portanto, não são todas as assessorias que podem cobrar a taxa de gestão. A grande vantagem que essas instituições oferecem é a transparência, pois o investidor sabe exatamente de onde a empresa aufere seus lucros e, por isso, tem mais segurança.

Um ponto importante a ser considerado é que, para a empresa fidelizar seus clientes e continuar no mercado, precisa fornecer resultados. Desse modo, o lucro que o investidor recebe, ao confiar seus recursos aos cuidados dessas assessorias, precisa valer a pena mesmo com o desconto da taxa.

Diferentemente das empresas que ganham seus rendimentos com comissões, é de interesse das assessorias que recebem taxa de gestão indicar as aplicações mais lucrativas a seus clientes, para que eles continuem utilizando seus serviços e os indiquem para outras pessoas.

4.3 Taxa de performance

Outro meio de motivar o agente a ir em busca dos melhores resultados é a taxa de performance. Ela representa um valor que é pago ao agente, ou assessor, quando os investimentos superam a meta estipulada.

A vantagem de trabalhar com essa taxa é que ela funciona como um incentivo para que o profissional busque sempre pelos melhores resultados. Se ele lucra mais com o rendimento do cliente, seu foco sempre vai ser o de maximizar esse rendimento.

Uma vez que a economia é cíclica e passa por constantes altas e baixas, contar apenas com a taxa de performance não é interessante para o gestor. O ideal para ele e combiná-la com a taxa de gestão. É possível, portanto, negociar as taxas de gestão e performance de modo que elas sejam vantajosas tanto para o investidor quanto para o assessor.

5. Facilidade de contrato

Depois de confirmar que a assessoria está devidamente registrada e que o agente tem os conhecimentos e a experiência necessários para cuidar dos investimentos, ainda é importante definir com ele a frequência com que terão contato. 

O assessor não precisa ligar todos os dias, mas é importante acertar com ele uma periodicidade em que ele deve prestar contas sobre o estado em que as aplicações se encontram. É necessário também contar com um canal direto com o profissional e com garantias de que, no caso de uma emergência, seja fácil entrar em contato com ele e ter acesso ao valor investido.

Recorrer ao apoio de uma assessoria é a maneira mais segura e viável de pessoas com pouca experiência começarem a investir e até mesmo investidores experientes na área que não possuem tempo para acompanhar o mercado. Com o auxílio de pessoal capacitado, é possível atingir resultados relevantes em menores períodos de tempo. Mas como vimos no artigo, alguns cuidados devem ser tomados antes de escolher a empresa responsável.

Agora que você sabe quais critérios precisa avaliar antes de contratar uma assessoria de investimentos, baixe nosso e-book e descubra como investir nas diferentes fases da vida!

5 aspectos importantes para avaliar antes de contratar uma assessoria de investimentos
Avalie esse post