Uma das dúvidas mais comuns para quem quer se tornar um investidor é se existe ou não um valor mínimo para investir. Muitos pensam que, para isso, é preciso contar com um capital inicial alto, o que acaba impedindo que essas pessoas busquem informações concretas e se aprofundem a respeito do assunto.

Mas você sabia que nem sempre é necessário ter um capital elevado para começar a investir? E que o mercado oferece diversas opções de produtos que podem ser direcionados de acordo com as particularidades financeiras de cada cliente?

Neste artigo, você vai ter acesso a dicas sobre diferentes tipos de investimentos, com riscos, retornos esperados e aplicações mínimas diferentes, para que você consiga entender melhor como funciona o mercado de investimentos e decidir qual se encaixa melhor com o seu perfil e realidade financeira.

Quer investir na sua educação financeira e aprender a escolher os melhores investimentos de acordo com o seu capital disponível? Então continue a leitura e descubra!

Planejamento de investimento

Se você deseja se tornar um investidor, é preciso começar entendendo a necessidade de buscar educação financeira, conhecendo o mercado e compreendendo alguns conceitos importantes que envolvem esse universo.

Dessa maneira, um planejamento de investimento começa muito antes da aquisição do produto em si, já que essa etapa só deve ser concretizada após a análise da situação financeira do futuro investidor, dos seus objetivos e do seu perfil individual.

Conhecer os tipos de investimentos e as suas peculiaridades é outro momento importante, pois ajuda o investidor a compreender qual das alternativas melhor se adapta às suas necessidades e limitações.

Investimentos que não exigem valor mínimo

A grande dúvida de quem vai começar é: existem um valor mínimo para investir? Como eu posso saber qual é esse valor e quais são os produtos disponíveis de acordo com a quantia que eu tenho disponível?

No caso da poupança, por exemplo, os bancos não costumam exigir dos correntistas um valor inicial pré-estabelecido para aplicação, permitindo, portanto, que qualquer um que possua dinheiro disponível possa se tornar um investidor.

Todavia, apesar de ser um produto bastante acessível, a poupança não costuma oferecer taxas de retorno muito atrativas ao investidor.

No caso dos outros tipos de investimento, a grande maioria dos produtos disponíveis no mercado vai exigir um montante mínimo inicial que, muitas vezes, é uma quantia menor do que se imagina.

A seguir, você vai conhecer alguns exemplos desses produtos que estão disponíveis no mercado e que têm aplicações mínimas variadas para quem quer começar.

Tipos de investimentos e suas particularidades

É possível encontrar diversas opções de investimentos que variam de acordo com características como a expectativa de retorno, risco e liquidez. Além disso, há investimentos que podem ser realizados exclusivamente em instituições bancárias, enquanto alguns outros podem ser adquiridos via corretoras especializadas.

Elencamos, a seguir, alguns dos principais exemplos desses investimentos, trazendo o seu conceito, particularidades e informações gerais sobre os valores mínimos para quem quer começar a investir. Conheça!

Certificado de Operações Estruturadas (COE)

O Certificado de Operações Estruturadas, também conhecido como COE, é um tipo de investimento muito conhecido na Europa e nos Estados Unidos, mas que começou a ganhar espaço no Brasil há apenas alguns anos.

O emissor do COE, ao criar essa opção de investimento, estrutura pacotes de cenários para o desempenho de um ativo ou indexador, que pode ser tanto nacional como internacional. Ele sempre será emitido por instituições bancárias e deverá obrigatoriamente ser registrado na Central de Custódia e Liquidação Financeira de Títulos (CETIP).

Trata-se de um investimento desenvolvido com base em cenários de ganhos e perdas, desenhado com base no perfil individual de cada investidor. Nesse sentido, ele é montado por meio da combinação de um título de crédito emitido por uma instituição financeira que tenha estratégias em derivativos.

É importante que o investidor esteja ciente de que o COE é emitido por bancos e que, nessa modalidade de investimento, não existe proteção do Fundo Garantidor de Créditos (FGC), diferente do que acontece com o CDB, LCA ou LCI. Por isso, é importante a realização de uma análise do risco de crédito do banco que vai emitir o COE no qual você pretende investir.

Ainda, vale destacar que também é possível comprar COE por meio de corretoras, as mesmas que oferecem produtos com CDB, LCA e LCI de bancos. Entretanto, se for comprar via corretora, a dica é que o investidor avalie se a mesma está credenciada na CETIP Certifica.

Com relação aos valores mínimos para investimento em Certificados de Operações Estruturadas, isso depende de cada emissão e é definido pelo próprio banco responsável pela mesma. De forma geral, os valores mínimos exigidos costumam variar de R$ 1.000,00 a R$ 10.000,00.

Títulos públicos

A principal opção para os investidores que estão começando e ainda não têm muito dinheiro para aplicar é o Tesouro Direto. Para comprar títulos do Tesouro, é necessário um valor mínimo que gira em torno de apenas R$ 30,00.

Com isso, você comprará um título emitido pelo governo federal, que te pagará uma taxa sobre o quanto você colocou. Esse título pode ser prefixado, em que a taxa é fixa até o vencimento do título; ou pós-fixado, em que a taxa vai variar de acordo com a taxa básica de juros do mercado, a Selic.

Além do baixo valor inicial exigido, esse tipo de investimento também é interessante para quem está começando a investir, por conta do seu baixo risco, já que o investidor que permanecer até o vencimento só perderá dinheiro se o governo não pagar as suas dívidas, o que é raro de ocorrer.

Outros ativos de renda fixa

Existem outros diversos ativos de renda fixa, como os CDBs, LCIs e LCAs, que são opções muito procuradas por quem deseja ter segurança e rendimento na carteira. São títulos de renda fixa semelhantes aos do Tesouro, só que emitidos por empresas privadas e bancos. Assim sendo, podem seguir regras específicas.

O valor mínimo para investir nesses ativos também costuma ser bastante baixo, na casa dos 100 reais, podendo ser um pouco maior em alguns casos.

Em relação à taxa de retorno, elas são mais altas do que as taxas do Tesouro, por conta de um maior risco de não pagamento, por se tratar de instituições privadas. O segredo é encontrar bancos ou empresas grandes e conhecidos, que dificilmente darão calote em seus investidores e que estejam oferecendo uma taxa de retorno boa.

Fundos de investimento

Os fundos de investimento costumam exigir valores um pouco mais altos de aplicação inicial. Além disso, o valor mínimo costuma variar muito de fundo para fundo. Do mesmo jeito que existem fundos que exigem uma aplicação mínima de R$1.000, podem existir aqueles feitos para investidores profissionais, que demandam que o investidor já tenha mais de R$ 1.000.000 de reais investidos para poder fazer a aplicação.

Fundos de ações costumam pedir uma aplicação mínima entre R$ 10.000 e R$ 50.000, pois as ações costumam ser negociadas em lotes de 100 (explicaremos melhor no próximo item).

Fundos de renda fixa e multimercados costumam aceitar aplicações um pouco mais baixas, na casa dos R$ 1.000,00, principalmente por conta do tipo de investimento que o fundo faz e do perfil do investidor.

Claritas Institucional, por exemplo, pode ser uma ótima opção: com apenas R$ 1 mil de investimento mínimo, o fundo tem como objetivo um retorno acima do CDI, oferecendo uma ótima relação risco/retorno.

Ações

Para investir em ações na bolsa de valores, não há, necessariamente, um valor mínimo exigido, porém, não é aconselhável entrar com valores muito baixos, pois as ações, como já dissemos, são negociadas normalmente em lotes de 100, ou seja, se você quiser comprar 100 ações de uma empresa a R$ 10 cada, deve ter, no mínimo, R$ 1.000 para realizar o investimento.

Além disso, o investidor não conseguirá diversificar as empresas em que for investir, ficando dependente a uma única empresa, o que costuma ser bastante arriscado. Também, existem diversas taxas para comprar e vender ações, como corretagem, emolumentos e custódia, que tornam o investimento um pouco menos atrativo para aqueles que não possuem um capital minimamente alto.

O mais aconselhável para investidores que querem ter exposição ao mercado de ações, mas ainda não têm o patrimônio suficientemente alto é procurar fundos de ações com aplicações mínimas baixas, assim, o investidor conseguirá juntar o seu dinheiro com o de outros investidores e tornar o investimento muito mais atrativo.

Fundos imobiliários

Investimentos em fundos imobiliários são realizados por meio da bolsa de valores ou do mercado de balcão organizado. Por isso, antes de entender qual é o valor mínimo para investir, é preciso ter uma conta em uma corretora de valores, uma vez que esse é o requisito para compra e venda de cotas em fundos imobiliários.

Eles são opções acessíveis a investidores de qualquer porte, e essa é uma das características que apontam para o nível de atratividade desse investimento.

Entretanto, quando se fala em valor mínimo, a resposta depende muito do valor da cota de cada fundo imobiliário. Como o requisito para investir é a aquisição da respectiva cota, o valor da mesma é que definirá o custo para começar a investir.

Nesse sentido, o preço das cotas pode variar bastante, sendo possível encontrar fundos que ofereçam cotas a um custo de R$ 2,00 e outros com cotas avaliadas em valores acima de R$ 4.000,00.

Uma dica importante é que o valor da cota não significa, necessariamente, que ela é boa ou ruim. Na verdade, ele está relacionado muito mais à estratégia utilizada pela administradora dos fundos.

No geral, os fundos com valor de cota mais alto atraem menos investidores e têm pouca liquidez. Por outro lado, os com valor de cota mais baixo têm maior liquidez e um número maior de investidores.

Além do valor inicial para começar a investir, também é importante compreender que os fundos imobiliários têm custos. A taxa de corretagem é o maior, mas há também custos com emolumentos e taxa de custódia. A análise desses valores é imprescindível antes de começar a investir no fundo.

Lembre-se de que, ao negociar valores muito pequenos de investimentos em fundos imobiliários, os seus custos podem tornar a operação muito cara, fazendo com que o investimento seja financeiramente inviável.

Como começar a investir

O primeiro passo para quem quer começar a investir é a definição dos seus objetivos. Para isso, o candidato a investidor deve elaborar uma lista de metas com os alvos que deseja alcançar ao começar um projeto de investimento financeiro.

Depois, é necessário investir em educação financeira, conhecendo o mercado e os diferentes tipos de investimentos e traçando o seu perfil de investidor. Com essas informações em mãos, é imprescindível investir na busca da assessoria de profissionais especializados, pois eles vão ajudar na elaboração de uma carteira focada nos seus objetivos e alinhada com o seu perfil pessoal.

Lembre-se de que, para se tornar um investidor, não é necessário dispor de grandes quantias financeiras, razão pela qual qualquer um pode começar a investir, desde que esteja com as suas finanças em dia e possua uma conta “no azul”.

Para isso, basta ter disciplina com as suas finanças e estar focado na criação de uma estratégia alinhada com os seus objetivos, focando a concretização das suas metas. Investir significa estar focado, buscar conhecimento constante e estar assessorado por profissionais com expertise na área.

Como você pôde ver, no mercado, existem diversos tipos de investimentos para todo perfil de investidor. Do mais conservador ao mais arrojado, do mais experiente ao que está começando agora. O segredo para o sucesso é entender qual se encaixa melhor em seu perfil atual e, ao longo do tempo, quando aumentar o seu capital e se tornar um investidor mais experiente, procurar encontrar alternativas para ter uma carteira bem diversificada!

Chegamos ao fim do nosso artigo. O que você achou de aprender sobre o valor mínimo para investir? Se ainda tem dúvidas ou gostaria de dividir a sua experiência conosco, deixe um comentário abaixo e compartilhe conosco e com os outros internautas os seus questionamentos, opiniões e vivências sobre o tema!

Afinal, existe ou não um valor mínimo para começar a investir?
4.1 (82.86%) 7 votos