Na hora de destinar o seu dinheiro a aplicações financeiras, é importante ficar atento a questões como a rentabilidade, os riscos e as condições. Um fator que não pode ser desconsiderado é o prazo mínimo para investimento.

Dependendo do seu perfil de investidor e de sua necessidade de liquidez, pode ser necessário recorrer a opções que estejam alinhadas com estratégias de investimento de curto prazo. Em outros casos, prazos maiores não são um problema e, inclusive, podem ajudar na conquista de resultados.

Portanto, veja do que se trata o prazo mínimo para investimentos e entenda como isso pode impactar as suas aplicações financeiras.

Afinal, o que é prazo mínimo para investimento?

Um dos grandes aliados do investimento é o tempo. Por causa dos juros compostos, que incidem período a período, quanto mais tempo o dinheiro ficar aplicado,  a uma mesma taxa de rentabilidade, maior será o seu retorno.

Mesmo um pequeno montante, nas condições certas de rentabilidade e por um período maior, pode alcançar um ótimo desempenho graças ao acúmulo dos recursos.

Entretanto, caso o investidor precise do dinheiro em suas mãos em um prazo de tempo menor, ou seja, tenha uma maior necessidade de liquidez, as aplicações precisam estar de acordo com esse seu perfil, portanto o dinheiro deve preferencialmente ser alocado em investimentos que apresentem menor volatilidade e de característica de resgate do capital investido a curto prazo.

Essas, portanto, são algumas condições que justificam o prazo mínimo para investimento. Como se trata de um período em que é exigido que o dinheiro fique aplicado, ou seja, imobilizado naquela operação, o investidor precisa ter em mente  qual será o momento que ele espera ter o dinheiro em suas mãos.

Como os investimentos têm características distintas, é comum que esses prazos também variem. Cumpri-los, por sua vez, é indispensável para ter a melhor performance com a atuação.

Por que é importante ficar atento a isso?

Essa questão merece atenção porque ela pode influenciar, diretamente, o desempenho da sua carteira. Um investimento de prazo longo, por exemplo, exige preparação, já que você não será capaz de usar os recursos pelo período de tempo estabelecido.

Em geral, o prazo mínimo afeta três fatores:

Rentabilidade

Como visto, o tempo é aliado das aplicações e do seu rendimento. Porém, o prazo mínimo para investimento afeta os ganhos além disso.

Há a questão de que as taxas contratadas, como no caso dos pré-fixados, só serão cumpridas caso esse período mínimo seja observado. Do contrário, há o risco de você resgatar quando o título está desvalorizado, levando à perda da rentabilidade.

Além disso, para os que são tributados, normalmente, são cobradas taxas menores de acordo com o prazo de investimento. Por exemplo, para os títulos de renda fixa, que são tributados, caso invista por mais de 720 dias você pagará 15% de imposto de renda sobre o rendimento, ao invés de 22,5%. – há uma tabela regressiva de acordo com o período investido.

Carência de resgate

Alguns  investimentos podem apresentar Carência de Resgate ou seja, possuem um prazo mínimo para a solicitação do resgate.

Durante o período de Carência de Resgate, o dinheiro não pode ser retirado, mesmo que o investidor esteja disposto a receber menos e a pagar mais imposto.

Antes de qualquer investimento, é importante observar essas condições e alinhar o prazo de Carência de Resgate com o prazo da necessidade de utilização desses recursos. Em alguns investimentos é possível que se resgate antes do prazo definido, porém é cobrado uma taxa de saída para que isto ocorra.

Segurança financeira

O prazo mínimo para investimento está diretamente relacionado à questão de liquidez. Basicamente, a liquidez necessária de um investidor  tem a ver com a sua necessidade de ter o dinheiro à sua disposição, para eventuais necessidades. Assim, o investidor deve avaliar a disponibilidade de recursos de uma aplicação financeira.

Se o prazo mínimo é grande, significa que o dinheiro precisa ficar imobilizado por um tempo maior — ao menos, para que haja um retorno dentro do esperado e das condições contratadas.

Por outro lado, imprevistos podem ocorrer, gerando a necessidade de recorrer aos recursos. Se eles não podem ser retirados devido à falta de liquidez, há prejuízos para a segurança financeira.

Portanto, é importante avaliar as características de suas finanças, de modo a analisar quais são as exigências quanto a esse fator.

Quais são as suas necessidades?

Para fazer uma análise e uma escolha quanto ao prazo mínimo de investimento, é preciso reconhecer as suas necessidades de utilização dos recursos.

Compreender em quanto tempo você pretende usar o dinheiro ajuda a definir se um prazo é ou não conveniente para as suas finanças. Por isso, considere as seguintes situações:

Curto prazo

Imagine que você busca fazer um investimento para poder viajar de férias no final do ano com a família ou porque deseja trocar de carro em 6 meses. Nessas situações, os recursos precisam ser utilizados em um curto período — e, em algumas possibilidades, há até data marcada.

Sendo assim, é necessário escolher opções que ofereçam prazos menores. Títulos do Tesouro Direto, assim como CDBs de prazo curto (cerca de 6 meses), possuem liquidez diária. Novamente, fique atento ao pagamento de impostos.

Além disso, é possível aplicar em LCIs e LCAs, que têm prazo mínimo de 90 dias, em muitos casos. Mesmo a poupança, dependendo do caso, é uma saída, já que ela permite o resgate imediato sem pagamento de taxas.

Médio prazo

Se você tiver um montante considerável para investir, pode querer comprar um novo imóvel dentro de 3 anos, por exemplo. Também é o caso de quem pensa na educação básica do filho pequeno ou até em abrir o próprio negócio.

Com isso, o prazo mínimo para investimento pode ser moderado, o que ajuda a rentabilidade, sem comprometer demais a liquidez.

Debêntures são bons exemplos desse tipo de aplicação, assim como títulos do Tesouro Direto e  CDBs. Há, ainda, fundos de investimento com boa liquidez e de médio prazo  que atendem bem a essa necessidade.

Longo prazo

Já se você não pretende utilizar o dinheiro em um curto período ou se tem outras fontes de renda e reserva de emergência, é uma boa possibilidade aplicar os recursos no longo prazo.

Com uma boa diversificação da carteira a longo prazo, muitos riscos são diluídos e a rentabilidade é extremamente favorecida. Ao final, é possível receber um valor maior e que potencializará, inclusive, outras aplicações.

Os fundos de investimento, tanto de ações como multimercados, são interessantes nesse sentido. Também há títulos com prazos de vencimento maiores, como de 20 e 30 anos.

Da mesma forma, o aporte em ações tende a se beneficiar de um período estendido, pois a longo prazo, as chances de recuperação de um ativo são melhores do que no num curto prazo.

Ao recorrer a essas opções, o investidor está sujeito à  baixa liquidez, mas elas podem trazer melhores resultados.

O prazo mínimo para investimento determina o período pelo qual o valor precisa ficar aplicado. Em alguns casos, há liquidez diária, mas é preciso observar a carência mínima e se o tipo de investimento é o ideal e pode trazer os resultados que você espera em um curto prazo. Há muitos tipos de fundos de investimentos, por exemplo, por isso você precisa saber a estratégia e analisar bem aquele que está disposto a investir.

Assim, as opções devem ser escolhidas de acordo com a necessidade do uso do dinheiro, trazendo melhor versatilidade para a carteira e não esqueça de ver as opções que mais se adequam ao seu perfil de investidor, para evitar futuras frustrações com seu investimento.

Gostou dessas dicas? Então, assine a nossa newsletter e receba mais novidades em sua caixa de entrada!

Aprenda qual é o prazo mínimo para investimento
4.1 (82.5%) 8 votos