Identificar as principais despesas e receitas, manter os gastos sob controle e pesquisar preços são práticas indispensáveis para quem quer manter as finanças em dia. Mesmo com todo planejamento, no entanto, é essencial ter em mente que imprevistos acontecem. Uma doença na família, um problema com o animal de estimação, a perda do emprego e vazamentos em casa, por exemplo, são situações que podem ocorrer com qualquer um. Para lidar com esses fatores sem desequilibrar as finanças, uma decisão importante é criar uma reserva de emergência.

Ter um saldo disponível para gastos que não foram previstos evita, entre outras consequências, ficar com a conta no vermelho ou precisar recorrer a empréstimos (e seus altos juros) para pagar o que necessita. Para compor uma reserva de emergência que atenda suas demandas é preciso seguir alguns passos, tais como organizar as contas, ter metas de gastos, separar as despesas essenciais das supérfluas e estabelecer quanto pode poupar por mês. 

Além disso, é preciso colocar a quantia em um investimento adequado e, também, tornar essa reserva para despesas não previstas uma prioridade no seu planejamento financeiro. Parece complicado? Não se preocupe! Separamos algumas dicas para lhe ajudar a fazer uma reserva de emergência, de acordo com suas necessidades.

Organize suas contas

O primeiro passo para criar um fundo para despesas que não foram previstas é organizar suas contas. Comece adotando o hábito de registrar todas as entradas e saídas tanto da sua conta bancária quanto do cartão de crédito. Mesmo os pequenos valores devem fazer parte do seu controle. 

Ao manter um registro de todas as receitas e despesas, você consegue ver, com facilidade, quanto recebe, quanto gasta e, principalmente, em que categorias do orçamento estão seus principais gastos. Dessa forma, é possível identificar em que áreas pode economizar, ter um planejamento e direcionar os recursos para uma reserva de emergência. 

Defina metas de gastos

Além de organizar suas contas e manter um registro de receitas e despesas, defina metas de gastos para garantir que sobrará dinheiro para formar seu fundo de emergência.

Para isso, comece com a separação de despesas essenciais e supérfluas. Como o próprio nome adianta, a primeira categoria é composta por gastos que você considera mais importantes no seu orçamento, como moradia, alimentação e saúde.  Liste todas as despesas fixas e variáveis que são indispensáveis e veja quanto dinheiro sobra. 

Em seguida, analise quais são as despesas que não são essenciais, mas fazem parte do seu orçamento, como lazer, cuidados pessoais e restaurantes, por exemplo. Veja, dentro dessas categorias, o que é possível cortar ou, pelo menos, o que é possível economizar todo mês.

Ao reduzir despesas supérfluas e estabelecer quanto poderá gastar em cada área do seu orçamento, você já pode começar a poupar para compor sua reserva de emergência.

Reserve uma quantia mensal 

Após definir suas metas de gastos e criar o hábito de acompanhá-las, é hora de começar a poupar regularmente para compor sua reserva. Estipule, de acordo com sua renda familiar, um valor fixo mensal para esse fim. Alternativamente, você pode definir um percentual da sua receita mensal para investir

O ideal é reservar ao menos 15% do que você ganha para suas prioridades financeiras, como quitar dívidas, se preparar para emergências e outros investimentos. Caso não tenha como guardar esse percentual, não há problema. Tenha em mente que, ainda que o valor a ser economizado seja pequeno, é essencial dar esse passo para estabelecer a rotina de investir. 

Escolha um investimento adequado

Outra decisão importante para criar uma reserva de emergência que atenda suas demandas é escolher em que investimento você vai guardar o dinheiro destinado aos gastos que não foram previstos.

Para esse tipo específico de reserva, é importante escolher um investimento que ofereça o mínimo de liquidez. Afinal, você pode precisar retirar parte da quantia que guardou a qualquer momento, pois imprevistos, como nome sugere, não têm hora certa para acontecer. 

Além de considerar esse aspecto, procure buscar um investimento que esteja alinhado ao seu perfil de investidor, ao cenário econômico e ao valor que será aplicado. Informe-se, ainda, sobre as taxas cobradas e questões tributárias, como o imposto a ser pago caso precise sacar o dinheiro antes do vencimento.

Lembre-se que nesse tipo específico de investimento é importante adotar uma postura conservadora, pois perder parte do dinheiro significa ficar desguarnecido caso tenha que arcar com um gasto que não foi contabilizado previamente. Prefira investir o valor destinado para a reserva de emergência em uma aplicação que alie liquidez e baixo risco

Para não deixar de aplicar uma quantia todo mês, uma ideia é deixar os depósitos futuros programados. Assim, você não corre o risco de se esquecer.

Torne a reserva de emergência uma prioridade

Por fim, mas não menos importante, para ter uma reserva que atenda suas demandas é preciso tornar a criação e manutenção desse fundo uma prioridade. A cada seis meses ou, dependendo da quantia economizada, um ano, analise novamente sua situação financeira, veja quanto tem guardado e se precisa aplicar mais dinheiro na sua reserva. O ideal é ter valor equivalente a seis meses de despesas mensais.

Caso não tenha usado essas economias da sua reserva de emergência, e conte com quantia suficiente para arcar com gastos que não foram previstos, você pode considerar diversificar os investimentos, optando por alternativas alinhadas aos seus objetivos e metas financeiras.

Vale lembrar que não convém apostar em investimentos arriscados antes de ter sua reserva de emergência criada. Além disso, analisar com frequência como anda seu fundo para imprevistos é essencial para observar se a rentabilidade da reserva de emergência atende às suas necessidades e expectativas. Não descarte a possibilidade de fazer ajustes, nem de realizar aportes maiores, caso ganhe um dinheiro extra.

Fazer uma reserva de emergência que atenda suas demandas é passo essencial para garantir sua segurança e a de sua família. Organize-se financeiramente, torne a criação dessa reserva  uma prioridade e não se esqueça de guardar a quantia para imprevistos em um investimento que ofereça baixo risco e liquidez, para não ter dor de cabeça caso precise sacar algum valor. 

Conhece alguém que precise de dicas para criar uma reserva de emergência? Então, não deixe de compartilhar este conteúdo nas suas redes sociais!

Como fazer uma reserva de emergência que atenda suas demandas?
4.5 (90%) 2 votos