Em um fundo de investimento, são reunidos recursos de um conjunto de investidores. Também chamados de cotistas, eles dividem as despesas com a administração do patrimônio, além de diversificar riscos e obter maior acesso a diversos tipos de ativos a preços mais baixos. O objetivo é obter lucro com a compra e venda de títulos, de bens imobiliários e de cotas de outros fundos no Brasil e até mesmo no exterior.

Dessa forma, os fundos são uma boa alternativa para quem busca diversificar investimentos. Com as mudanças provocadas pela era digital, eles deixaram de ser restritos a investidores de alta renda e se tornaram mais acessíveis. Com auxílio de gestoras de investimentos e das plataformas digitais, qualquer pessoa pode ter acesso a esses produtos, ampliando seus rendimentos.

No entanto, diante de muitas opções disponíveis no mercado, a escolha ideal para cada pessoa poderá ser um pouco trabalhosa e o investidor terá que realizar uma boa análise e comparação entre fundos. Neste post, vamos ajudar você a entender o que precisa ser analisado para escolher o fundo mais adequado para os seus objetivos, evitando frustrações!

 

Como escolher o fundo ideal para cada perfil?

 

O primeiro passo ao escolher um investimento é entender qual é o seu objetivo ao investir. Há produtos mais indicados para cada perfil, seja conservador, moderado ou agressivo. Como forma de proteção aos investidores, as instituições financeiras somente podem indicar investimentos iguais ou mais conservadores que o perfil do cliente.

Para perfis conservadores, Fundos DI e de Renda Fixa de baixa volatilidade são boas opções. Já para investidores que tenham perfil moderado, é mais indicado buscar fundos multimercado de baixa e média volatilidade, enquanto investidores agressivos tendem a ter seus objetivos alcançados com fundos de alta volatilidade ou fundos de ações.

Uma vez que identifique o seu perfil, o investidor deverá basear sua escolha em comparações de produtos similares. Fundos multimercado devem ser comparados entre si, e não com fundos de ações, por exemplo.

Um erro comum ao investir é comparar apenas a rentabilidade. Independentemente da escolha a ser feita, é importante conhecer seu perfil, sua aceitação a riscos e seu horizonte de investimento. Assim, será possível fazer a escolha certa a partir de alguns critérios que indicaremos a seguir.

 

Quais pontos devem ser analisados ao escolher um fundo?

 

Depois de realizar a escolha sobre qual o fundo de investimento mais adequado ao seu perfil, o investidor poderá comparar os produtos similares levando em conta importantes fatores. Acompanhe:

Volatilidade

A volatilidade está diretamente relacionada ao conceito de risco — é uma medida para mensurar o grau de risco. Por exemplo, um papel que valoriza muito em um dia e desvaloriza muito no outro, e segue com essa inconstância, é um papel com alta volatilidade e, provavelmente, possui maior risco.

Assim, se optar por investir em fundos multimercado, é imprescindível que o investidor verifique se a volatilidade do fundo está de acordo com o seu perfil. Lembrando que fundos multimercado possuem diversas estratégias e, portanto, haverá volatilidades muito diferentes entre esses fundos. Ao comparar esse tipo de fundo, é necessário buscar aqueles que possuem volatilidades parecidas. Essa informação pode ser encontrada no material de divulgação.

Prazo de investimento e liquidez

A volatilidade influenciará ainda no prazo de aplicação. No caso de fundos menos voláteis, é possível considerar prazos menores, já que não haverá grandes oscilações em sua rentabilidade. Neste caso, é recomendado investir sua reserva de emergência ou aquele dinheiro que será requisitado em até um ano, por exemplo, em fundos menos voláteis, como os de Renda Fixa ou fundos DI. Evitando assim auferir perdas até o pedido de resgate.

Em investimentos de longo prazo, os investidores ficam menos suscetíveis a riscos, já que a possibilidade de perda pode se diluir com o tempo. Porém, essa tende a ser uma opção mais recomendada a pessoas de perfil moderado ou agressivo, que não se incomodarão tanto com as eventuais quedas na rentabilidade durante o prazo do investimento.

Além disso, outro ponto de atenção é em relação ao prazo de resgate do fundo (liquidez). Em alguns fundos é possível requisitar o resgate e receber os recursos no dia útil seguinte (D+1). Enquanto em outros, o pagamento só será executado em 30 ou mais dias após o pedido de resgate, por exemplo. Fique atento a esta informação, pois ela é essencial para que você tenha controle sobre o seu fluxo de caixa.

Tempo de existência do fundo

Ao comparar fundos, um ponto importante a ser analisado é o tempo de existência desse produto. É recomendável que seja dada preferência para fundos que possuam pelo menos 36 meses, uma vez que quanto mais antigo for o histórico, maior a capacidade de se certificar da eficácia de seu gestor.

Os fundos de investimento funcionam como times de futebol. Lembre-se que uma equipe que foi vitoriosa em vários campeonatos em uma temporada não necessariamente acumulará vários troféus no ano seguinte. Mas, um time com histórico de conquistas tende a ser mais confiável do que as equipes novatas.

No caso de fundos novos, os investidores terão de conviver com a incerteza de como eles se comportam em momentos de dificuldade. Diante de um produto com histórico mais longo, é possível termos maior previsibilidade ou entendimento de como poderá ser o seu desempenho.

Consistência de retorno

Assim como o tempo de existência, é imprescindível analisar a consistência de retorno. Para alcançar um alto grau de confiabilidade sobre a rentabilidade de um fundo de investimentos não se deve analisar uma janela curta de performance.

Observe qual foi a capacidade de rendimento em prazos de 12, 24 e 36 meses. Ainda que o fundo ofereça maior rentabilidade em curto prazo, é aconselhável dar preferência às alternativas que sejam mais rentáveis em janelas mais longas, pois isso indica a consistência de retorno de um fundo.

Lembrando sempre que retornos passados não garantem rentabilidade futura, mas através do histórico é possível ter um olhar mais crítico sobre a gestão realizada no fundo. Além de ser mais uma ferramenta para o seu trabalho de comparação e análise de fundos.

 

Como escolher a gestora de investimentos ideal?

 

Os investidores têm à sua disposição na internet diferentes ferramentas para a comparação de fundos. Magnetis e Vérios oferecem a possibilidade de comparar opções de investimento e observar diferentes fatores, como a volatilidade e o histórico de performance.

Outra dica é verificar se a gestora e o administrador do fundo são do mesmo grupo econômico, o que costuma acontecer bastante no caso dos bancos. Como o papel do administrador é de supervisionar a atividade da gestora, o ideal é que eles não sejam do mesmo conglomerado, evitando assim que haja conflitos de interesse. Portanto, é sempre mais interessante procurar gestoras independentes para mitigar este risco.

Verifique também se a gestora em análise possui um bom histórico na estratégia do investimento que se pretende realizar. Cada estratégia requer conhecimentos e expertises específicas que, na maioria dos casos, não são os mesmos para diferentes tipos de fundos.

Se a dúvida persistir, o investidor sempre poderá recorrer ao assessor de investimento de sua corretora, banco ou até mesmo entrar em contato com a própria gestora do fundo. Ao contar com o auxílio desses profissionais, os investidores terão a certeza de que as gestoras independentes estão 100% focadas em investimentos e contam com times de analistas que se dedicam intensamente à análise do mercado.

Tanto fazendo um aporte diretamente com as gestoras, ou as acessando por intermédio de uma corretora, o investidor poderá recorrer à equipe comercial da gestora para receber as orientações necessárias sobre os fundos, entender e acompanhar o que os analistas e responsáveis por gerir o fundo estão adotando como estratégia.

Para identificar a gestora ideal, o investidor poderá entrar em contato pelos diferentes canais. Saber se a equipe foi mantida nos últimos anos ou se há alto grau de rotatividade ajudará a obter a confiança sobre a consistência dos resultados alcançados. Analisar a parte qualitativa é tão importante quanto observar números. Uma boa gestora será fundamental para ajudar na hora da escolha de uma comparação de fundos.

Quer saber de forma prática como diversificar sua carteira de investimentos? Baixe o e-book sobre Diversificação da Carteira de Investimentos e impulsione já seus rendimentos!

Comparação de fundos: como encontrar as melhores opções para investir?
4.7 (93.33%) 3 votos