Um dos indicadores mais importantes da economia brasileira, a Taxa Selic tem grande influência nos investimentos de renda fixa. Servindo como parâmetro para a maioria deles, qualquer flutuação na taxa impacta o quanto você pode ter de rentabilidade em certas aplicações.

Para fazer com que os seus recursos estejam no melhor lugar e com as configurações mais adequadas, é muito importante entender o impacto dessa flutuação. Assim, ficará fácil saber quando agir e quais são as ações indicadas para obter resultados satisfatórios.

A seguir, compreenda melhor a ligação entre esses elementos e descubra tudo o que você deve reconhecer sobre o tema!

Por que a Taxa Selic passa por flutuações?

Antes mesmo de compreender o impacto das mudanças desse valor nos investimentos, é importante entender quais são os motivos para o movimento dessa taxa.

Conhecida como a taxa básica de juros da economia, a Taxa Selic determina o valor mínimo das operações com juros no Brasil (Por que? Porque a taxa SELIC define os juros pagos quando se empresta dinheiro ao governo, que é considerado o empréstimo de menor risco no país.). Ou seja, ela serve para determinar se o crédito fica mais “caro” ou mais “barato”.

Com isso, trata-se de um elemento que serve para ajudar a controlar a economia. Se o crédito fica muito disponível e o consumo se eleva excessivamente, a inflação pode disparar, comprometendo o poder de compra.

Nesse caso, a Selic é elevada justamente para conter parte desse movimento e garantir maior equilíbrio.

Por outro lado, quando a economia está em recessão ou estagnada, é preciso estimular a circulação financeira. Com isso, uma maneira consiste em reduzir os juros, favorecendo o consumo e o acesso ao crédito.

De 2013 a 2016, a taxa básica de juros da economia subiu progressivamente, chegando a atingir o valor de 14,25%. Em 2017, começou a ser reduzida e em setembro atingiu seu menor valor desde 2013: 8,25%.

Tudo isso tem a ver com a situação econômica, pois com a inflação galopante ela precisou ser elevada. Com a redução do nível de inflação devido ao baixo consumo, ela pode ser diminuída.

Qual é a relação com os investimentos de renda fixa?

Para garantir a rentabilidade ao final da aplicação, os investimentos de renda fixa são atrelados a indicadores da economia. Com isso, mesmo os pós-fixados garantem que haverá algum ganho em relação ao que foi investido inicialmente.

Em geral, praticamente todos os investimentos de renda fixa estão associados à Taxa Selic. O Tesouro Direto, por exemplo, tem opções proporcionalmente ligadas a esse indicador.

Até mesmo a poupança é impactada por tal taxa, já que com um valor menor do que 8,5%, o rendimento é de 70% do índice mais a TR.

Além disso, há outros investimentos que são ligados à Selic de forma indireta. É o caso daqueles que rendem de acordo com o CDI, índice que varia diariamente e que acompanha a movimentação da taxa básica de juros.

Dessa maneira, opções como os CDB, LCI e LCA também são impactadas por essa flutuação.

Tudo isso serve para dizer que, quando a Taxa Selic cai, os investimentos de renda fixa que são estritamente associados a ela perdem rentabilidade. Ou seja, com a flutuação negativa desse indicador, aplicar na renda fixa fica menos atrativo.

Por outro lado, quando ela aumenta cria um cenário seguro e altamente favorável para aplicar o dinheiro nessas opções, como aconteceu nos últimos anos.

Como aproveitar o melhor dessa relação?

Como Taxa Selic e rentabilidade têm tudo a ver quando se fala em investimentos de renda fixa, é fundamental saber como agir no caso de queda da taxa. Ter um bom plano de ação para resolver a situação garante um aproveitamento adequado dos recursos e das oportunidades.

Para lidar melhor com esse quadro, veja quais ações empregar:

Faça um acompanhamento constante dos investimentos

Por mais que o investimento de renda fixa seja seguro, é importante acompanhar o seu desenvolvimento ao longo do tempo, especialmente o pós-fixado.

Uma queda acentuada da Taxa Selic, dependendo da modalidade dos investimentos feitos, pode comprometer seriamente a sua rentabilidade, levando a um valor que fica muito aquém do esperado.

Em algumas situações, inclusive, vale mais a pena retirar o dinheiro, pagar as taxas e os impostos e aplicá-lo em outra opção com melhor perfil de ganhos.

Portanto, não abra mão de acompanhar os resultados de perto, pois isso permite uma ação adequada para diminuir o custo de oportunidade.

É importante mencionar que as oscilações nas taxas de juros podem ter diferentes efeitos de ganho e perda sobre os investimentos já realizados e em andamento na carteira. Um investimento em título pré fixado terá valorização caso a taxa de juros diminua.

Diversifique a sua carteira

Ao depender apenas dos investimentos de renda fixa, é muito difícil lidar com a possível queda desse indicador. Como consequência, todos os resultados caem e se tornam menos interessantes diante dessa situação.

Por isso, o melhor a se fazer é diversificar a carteira de aplicações, inclusive com opções da renda variável. Investimentos em ações ou em câmbio podem ser atrativos num cenário de queda de juros.

Além disso, a diversificação é benéfica para aumentar a segurança em geral, melhorando o desempenho da carteira como um todo.

Opte por fundos de investimento

Porém, nem todo mundo tem o conhecimento necessário para investir por conta própria em opções não atreladas à Selic. Com isso, sentem que podem perder oportunidades e dinheiro com essa abordagem, especialmente dependendo do seu perfil.

Para lidar com isso, o melhor caminho é optar pelos fundos de investimento. Funcionando como condomínios, eles garantem que todos os participantes aportem recursos que são movimentados e aplicados em certos investimentos. Esses fundos contam com gestores que são profissionais especializados na análise das variáveis que influenciam na rentabilidade desses títulos, sendo, por vezes capazes de fazer com o fundo obtenha ganhos tanto em momentos de queda quanto de alta dos juros.

Assim, há um acesso facilitado a opções consideradas mais vantajosas e atraentes, ao mesmo tempo em que ocorre uma diluição dos riscos. Associados a outros indicadores, esses fundos incluem opções de ações, multimercado, cambiais e outras possibilidades semelhantes.

Além de tudo, há a chance de obter um desempenho muito melhor. Para tanto, basta encontrar uma gestora que tenha experiência, qualidade e segurança de modo a garantir o melhor caminho para seu dinheiro.

A Taxa Selic influencia diretamente muitos investimentos de renda fixa e sua queda significa diminuição da rentabilidade de muitas opções. Portanto, é fundamental saber como agir diante desse quadro, aplicando seu dinheiro em opções mais vantajosas para garantir os melhores resultados.

Não perca nenhum conteúdo! Assine a nossa newsletter e receba as dicas diretamente em sua caixa de entrada.

Compreenda a relação entre a Taxa Selic e os investimentos de renda fixa
5 (100%) 1 voto