O mercado financeiro apresenta um grande leque de opções para quem deseja investir. Diante de tantas alternativas, é fundamental conhecer seu perfil de investimento: você é um investidor conservador, moderado ou agressivo? Assim, ele estará preparado para escolher melhor onde aplicar seu dinheiro.

Como forma de proteção aos investidores, as instituições financeiras somente podem indicar investimentos iguais ou mais conservadores que o perfil do cliente. Se ainda assim o cliente quiser realizar aporte em uma opção que não tenha sido recomendada, haverá um alerta da instituição e será emitida uma declaração de ciência da situação.

Neste post, mostraremos quais são as melhores opções de investimento de acordo com cada um dos perfis de investimento. Seja conservador, moderado ou agressivo, continue a leitura para identificar a alternativa certa para as suas características!

Perfis de investimento: conservador, moderado e agressivo

A identificação dos perfis de investimento é feita com a análise de uma série de indicadores:

  • renda mensal;
  • idade;
  • grau de escolaridade;
  • prazo;
  • tolerância ao risco;
  • objetivos do investimento;
  • valor investido;
  • experiência no mercado financeiro;
  • frequência das aplicações realizadas;
  • necessidade da utilização dos recursos;
  • ativos que compõem o patrimônio do investidor.

A partir dessa análise, é possível definir quais são os tipos de investimento indicados para cada investidor. Isso é fundamental para que seja amenizada a possibilidade de frustração com a opção escolhida.

Investidor conservador

O perfil conservador é o que abrange investidores que buscam segurança nas aplicações que realizam. Geralmente, são pessoas com objetivos em curto e médio prazo, que tendem a privilegiar boa liquidez à alta rentabilidade.

Investidores de perfil conservador miram opções que tenham rentabilidade mais previsível e não envolvam grandes riscos. Há uma variedade de produtos que se encaixam nessas características, como veremos a seguir.

Investimentos para perfil conservador

Fundos DI

Os Fundos DI remuneram de acordo com o CDI e são produtos considerados bastante acessíveis. São uma boa opção para quem busca liquidez diária, mas é preciso que o investidor fique atento às taxas de administração, já que elas impactam a rentabilidade desse investimento.

Assim, é recomendável que o investidor evite Fundos DI com taxas abusivas e busque retornos superiores a 95% do CDI, provavelmente você poderá encontrar mais facilmente os melhores produtos dessa categoria nas plataformas digitais.

Fundos Multimercado e de Renda Fixa de baixa volatilidade 

Os Fundos Multimercado, como o próprio nome diz, são aqueles que envolvem diversas modalidades de investimento. Os recursos podem ser aplicados em várias classes de ativos, como ações, moedas, commodities, juros e renda fixa (CDB, títulos públicos e privados), tanto no Brasil quanto no exterior.

Muitas vezes o investidor acredita que fundos de Renda Fixa não são arriscados e, portanto, se encaixa no perfil conservador. Porém, assim como os fundos multimercados, há fundos de baixa e alta volatilidade, portanto tudo depende do objetivo e características do fundo. Por isso é importante que se analise o fundo e não somente a categoria. Neste caso, porém, para fundos de Renda Fixa mais conservadores, avalie se não vale mais a pena aplicar diretamente nos títulos que falaremos a seguir, sem remunerar intermediários, já que no geral os fundos de renda fixa mais conservadores compram esses produtos e os mantém na carteira sem efetuar uma gestão ativa do fundo.

Para atender ao investidor conservador, é importante buscar alternativas de baixa volatilidade. Assim, não haverá o desconforto com momentos de quedas bruscas na rentabilidade.

Títulos públicos ou privados pós-fixados com boas notas de crédito 

Por meio do Tesouro Direto, o investidor pessoa física aplica em papéis da dívida pública federal. Aplicar em títulos públicos federais é uma das modalidades de aplicação financeira mais segura do mercado nacional e, por isso, muito indicada para o investidor conservador e que possui um montante para investir baixo já que conta com um mínimo de investimento de R$ 30.

Para o investidor que não gosta de renda variável e quer se manter na renda fixa, bons produtos são os títulos de crédito pós-fixados. É importante observar quais são as notas de crédito desses investimentos, para que o investidor conservador evite correr riscos que não são toleráveis ao seu perfil.

Entre essas alternativas, pode ser citada a LFT (Letra Financeira do Tesouro). Também conhecido como Tesouro Selic, esse é um título público pós-fixado com menor volatilidade. Assim, é indicado para investidores de perfil mais conservador e que precisam de liquidez. Caso haja uma emergência, é possível resgatar o dinheiro que foi aplicado antes do vencimento sem o risco de surpresas com o rendimento.

Outros títulos de crédito a serem considerados são o CDB (Certificado de Depósito Bancário), emitido pelos bancos para viabilizar suas operações comerciais, como empréstimos ou cheque especial; LCI (Letras de Crédito Imobiliário) e LCA (Letra de Crédito do Agronegócio), em que o investidor faz um empréstimo a uma instituição, cujos recursos serão destinados ao financiamento do setor imobiliário ou do setor agrícola. Nesses casos é importante ficar atento ao prazo de vencimento dos títulos para que não perca a rentabilidade esperada do investimento, escolha um prazo que atenda aos seus objetivos, caso queira liquidez, opte por outros tipos de produtos.

Investidor moderado

Assim como investidores conservadores, aqueles que são de perfil moderado buscam segurança em seus investimentos, mas são mais tolerantes aos riscos. Por isso, admitem a possibilidade de aplicar em produtos mais ousados, com maior volatilidade e, consequentemente, com possibilidade de apresentar maior rentabilidade, num médio e longo prazo, não necessitando de liquidez imediata.

O investidor moderado busca por aplicações equilibradas em diversas classes de ativos, sem cometer excessos. Dessa forma, confira alguns dos produtos indicados para esse perfil.

Investimentos para perfil moderado

Títulos de renda fixa prefixados

Os títulos de renda prefixados são bons produtos para o investidor moderado, pois possibilitam o conhecimento do quanto será recebido no vencimento do título já no momento da compra. Independentemente do que ocorrer na economia, se a Taxa Selic ou a inflação sofrer queda ou alta, o rendimento recebido será o que foi pactuado quando foi realizada a compra do título, caso seja mantido até o vencimento. Entre esses produtos, podemos citar a LTN e algumas emissões de LCI e LCA.

Como dissemos, as Letras de Crédito Imobiliário e do Agronegócio são empréstimos feitos para uma instituição com o objetivo de financiar o setor. Já a LTN é a sigla de Letra do Tesouro Nacional. Também conhecida como Tesouro Prefixado, a LTN pode apresentar volatilidade, com mudanças diárias em seu valor de mercado. Assim, caso o investidor tenha que fazer o resgate do valor aplicado antes do vencimento desse título público, o Tesouro Nacional pagará o valor de mercado daquele dia específico. Consequentemente, a rentabilidade pode ser superior ou inferior à contratada no momento da compra do título.

Títulos indexados à inflação

As siglas NTN-B e NTN-B Principal significam Nota do Tesouro Nacional Série B e hoje são chamadas respectivamente de Tesouro IPCA com juros semestrais e Tesouro IPCA+. Esses títulos públicos funcionam como um “misto” de um título prefixado (juro real pré-acordado) e um pós-fixado (IPCA do período).

Por serem títulos indexados ao Índice de Preços ao Consumidor (IPCA), asseguram a rentabilidade real, que é o retorno acima da inflação. Dessa forma, se o investidor mantiver a aplicação até a data de vencimento do título, receberá a variação da inflação do período, acrescida de uma taxa de retorno conhecida e acordada no momento da compra do título.

Da mesma forma como acontece com os títulos prefixados, caso o investidor precise fazer o resgate antes do vencimento do título, o rendimento poderá ser diferente daquele acordado na data da compra. Isso acontece porque o papel será recomprado pelo Tesouro Nacional pelo valor de mercado do dia em que é vendido pelo investidor.

Ativos de crédito com um pouco mais de risco

Devido à maior tolerância aos riscos dos investidores moderados, é possível que as pessoas desse perfil encontrem bons produtos em ativos de crédito que oferecem rentabilidade maior, mas sem a mesma segurança de instituições financeiras mais sólidas.

Nesse caso, o investidor poderá recorrer aos CDBs de bancos menores, que têm taxas de CDI mais altas e, em contrapartida, não têm notas de crédito tão elevadas. Da mesma forma, é possível encontrar rentabilidades maiores em LCIs e LCAs de instituições que ofereçam maior retorno a quem tolera riscos maiores.

Fundos Multimercado e de Renda Fixa de média volatilidade

A volatilidade é um dos fatores que podem afastar investidores conservadores de alguns produtos oferecidos no mercado financeiro. Já para o investidor moderado, a possibilidade de rentabilidades que tenham maior oscilação é algo aceitável.

Fundos com volatilidade inferior a 2% podem ser mais indicados a investidores conservadores. Para o investidor de perfil moderado, é possível optar por uma volatilidade que varie entre 2% e 5%. Acima desse valor, os Fundos Multimercado são mais compatíveis a quem tem o perfil agressivo. Esses dados você encontrará no material de divulgação do fundo.

Neste caso também, você pode encontrar fundos de Renda Fixa, nesta faixa de volatilidade, com um pouco mais de risco e com uma gestão mais ativa, porém, como os fundos multimercados também englobam títulos de renda fixa, possuem, portanto, mais possibilidades de diversificação dentro do fundo e pode ser uma melhor opção.  

Investidor agressivo

A possibilidade de conseguir maior rentabilidade em longo prazo é uma das principais motivações para investidores de perfil agressivo, que, por isso, aceitam correr riscos mais altos. Mais tolerantes a possíveis perdas, são pessoas que não se incomodam com produtos de alta volatilidade, como os que apresentamos a seguir.

Investimentos para o perfil agressivo

Ações

Os investimentos em ações demandam bom conhecimento do mercado financeiro, já que são considerados de alto risco. Justamente por isso são indicados para o investidor agressivo.

Em 2018, o investimento em ações tende a ser uma opção, já que com a taxa básica de juros — Taxa Selic — em queda, os juros das dívidas das empresas também diminuem, o que beneficia o fluxo de caixa dessas organizações. Isso, consequentemente, impactará nos resultados das companhias.

Da mesma forma para quem investe em ações, os Fundos Imobiliários podem ser bons produtos. São negociados em bolsas de valores e podem ser comprados de forma similar a uma ação.

É sempre importante lembrar que para ter mais sucesso investindo em ações é importante conhecer a profundamente as empresas que está comprando as ações e fazer um acompanhamento periódico do mercado. Caso acredite que não tenha conhecimento necessário e queira investir em ações, escolha os fundos de ações, que falaremos a seguir.

Fundos de Ações

Os Fundos de Ações são produtos que possuem como única fonte de risco o mercado de renda variável, são geridos por uma gestora que possui equipes especializadas em monitorar o mercado local e internacional, buscando ganhos acima dos índices conhecidos de mercado, como o Ibovespa, por exemplo.

Esse tipo de fundo deve manter, no mínimo, 67% da carteira investida em ações negociadas na bolsa ou em mercado de balcão organizado, o que lhe concede o beneficio tributário da isenção do come-cotas e a alíquota única de 15% de imposto de renda.

Fundos Multimercado alta volatilidade

Investidores agressivos buscam maior rentabilidade em longo prazo. Dessa forma, Fundos Multimercado de alta volatilidade são muito indicados. Em alguns períodos, há a possibilidade de perdas maiores, mas que são toleradas por pessoas com esse perfil. Porém, em longo prazo, a tendência é que os retornos sejam elevados, atingindo o objetivo desses investidores.

Ativos de créditos agressivos

Para quem busca investir em ativos de crédito, observar a situação da empresa que receberá o aporte é fundamental, pois indicará o risco daquele investimento. Organizações em situações financeiras mais perigosas, que precisam receber mais recursos, tendem a oferecer retorno para os investidores como contrapartida para os riscos a que serão submetidos. Assim, esses são produtos indicados para investidores de perfil agressivo.

As debêntures podem ser incluídas como exemplo desses produtos, já que são títulos de dívidas emitidos por empresas, de capital aberto ou não, que buscam captar recursos para investimentos e atuações necessárias para o seu funcionamento. Assim, o investidor passa a ser um credor dessa companhia.

Nessa espécie de empréstimo para a empresa, o investidor é remunerado com uma taxa de juros fixada pela própria companhia no momento da emissão da debênture. Lembrando que a taxa de juros pode ser pré ou pós-fixada.

 

Portanto, ao escolher um produto disponível no mercado financeiro, é importante que o investidor entenda qual é o seu perfil — conservador, moderado ou agressivo. A partir dessa análise, será possível escolher a opção ideal diminuindo o risco de frustrações. Além disso, não é preciso escolher apenas um tipo de produto do seu perfil para investir, quanto mais diversificado forem seus investimentos, mais você diluirá o risco. É a famosa frase “não coloque seus ovos numa mesma cesta”.

Quer ter acesso a mais informações sobre investimentos? Assine a nossa newsletter e receba conteúdos como este diretamente na sua caixa de entrada!

Conheça produtos para o investidor conservador, moderado e agressivo
4.8 (95%) 4 votos