Começo de ano é sempre cheio de contas e impostos para pagar. Você conseguiu pagar tudo com seu saque de FGTS, seu décimo terceiro, ótimas vendas de final de ano ou seu bônus da empresa e ainda sobrou uma grana, mas não sabe o que fazer? Nós queremos ajudar. Quem tem os olhos voltados para o futuro encontra uma ótima oportunidade de fazer aportes em aplicações financeiras. Ao invés de sair gastando a toa, potencialize seu dinheiro para que ele valha mais e você consiga atingir suas metas de 2018. Mas afinal, onde investir seu dinheiro?

Antes de pensar na poupança, vale saber que essa pode não ser a melhor opção, dependendo do valor a ser investido . Sempre vale considerar outras ótimas possibilidades.

A seguir, veja quais são as melhores escolhas para suas necessidades e seu perfil e entenda as vantagens de cada uma!

Fundos Simples (antigo Fundo DI)

Para quem deseja o máximo de liquidez, aplicar os recursos em um Fundo Simples é uma boa opção para quem deseja diversificar sem se arriscar demais.

Nele, a maior parte do montante (pelo menos 95%) é aplicada, obrigatoriamente, em títulos públicos ou ativos de renda fixa com classificação de risco equivalente. O restante pode ser distribuído entre opções convenientes e seguras. Trata-se de um fundo de renda fixa que busca acompanhar o CDI, índice que está atrelado à taxa Selic.

A maior vantagem sobre este tipo de Fundo é que ele é uma opção segura, evitando qualquer especulação. Além de tudo, ele conta com liquidez diária, então, o valor pode ser retirado a qualquer momento.

Como é bastante acessível, normalmente não exige um grande montante para ser aplicado inicialmente. Apesar do valor mínimo ser determinado por cada instituição, quem economizou menos de R$ 1 mil, por exemplo, encontra nessa uma ótima possibilidade.

Porém, duas questões precisam ser observadas: o Imposto de Renda e a taxa de administração. No caso do IR, a cobrança ocorre segundo a tabela regressiva, então, quanto maior é o tempo de investimento, menor é o imposto cobrado. Já a taxa de administração, é recomendado que seja menor do que 1% ao ano, pois assim não há um grande comprometimento da rentabilidade.

Tesouro Direto

Outra opção muito conhecida é o Tesouro Direto. Trata-se de uma ótima alternativa de onde investir seu dinheiro para quem busca resultados melhores que os da poupança, mas sem abrir mão da segurança.

Nesse caso, o investimento é feito em títulos públicos, com a remuneração sendo feita pelo Governo, ou seja, o investidor empresta dinheiro ao Governo e, em troca, há o pagamento de uma rentabilidade, que pode variar segundo alguns indicadores.

O Tesouro Selic varia de acordo com a Selic, que é a taxa básica de juros da economia. Esta pode não ser a melhor resposta atual para onde investir, pois em 2017 a taxa sofreu várias quedas e a atratividade dessa opção diminuiu um pouco.

Em contrapartida, há as opções prefixadas. Nesse caso, o valor a ser recebido é conhecido previamente, melhorando o planejamento. É ideal para quem é bem conservador e também é uma escolha indicada se você acredita em uma queda da taxa de juros.

Já o Tesouro IPCA+ é perfeito para quem tem o pensamento em longo prazo, pensando até mesmo na aposentadoria, pois este título lhe garantirá um rendimento acima da inflação ao longo dos anos, protegendo o seu poder de compra. Este tipo de título remunera IPCA acrescido de uma taxa fixa, por exemplo, IPCA + 5,00% a.a.

Os títulos do Tesouro Direto também são tributados pela tabela regressiva de IR, então, considere deixar o total mais tempo aplicado para pagar menos imposto.

CDB

Enquanto isso, o CDB é uma opção de aplicação em título privado. Oferecendo os recursos para instituições financeiras, você ganha uma rentabilidade em retorno. Nesse caso, o investimento pode variar com o CDI ou pode ser pré-fixado.

O grande benefício de aplicar no CDB é que ele não é uma opção de curtíssimo prazo, mas também não exige um tempo muito longo para apresentar bons resultados. No entanto, é importante ficar atento aos prazos, pois quanto maior o tempo de vencimento, maior a rentabilidade, porém você não poderá resgatar o investimento até o final do prazo. E CDBs que possuem possibilidade de resgate antecipado, possuem rentabilidade menor.

Se a Selic estiver em queda ou se não for tão alta, vale a pena ponderar a escolha, uma vez que a grande maioria destes títulos possui sua rentabilidade indexada ao CDI, que em geral acompanha a Selic. Em vez de investir em bancos maiores, que pagam menos, por serem menos arriscados, pode ser melhor procurar bancos de pequeno e médio porte, pois essas opções, muitas vezes, pagam acima de 100% do CDI. Como o valor de até R$ 250 mil por CPF é garantido pelo Fundo Garantidor de Crédito (FGC), há menos preocupação nesse sentido.

Apesar de não cobrar taxa de administração, o CDB é tributado pela tabela regressiva de IR . Assim, o melhor é fazer os cálculos para encontrar uma opção que maximize os rendimentos e ofereça um ótimo resultado para os seus objetivos.

Fundos de Ações

A renda variável, ou o investimento em ações, também pode ser uma ótima escolha de onde investir o seu dinheiro. Nesse caso, ela serve para diversificar a carteira de investidores moderados ou para fortalecer quem tem um perfil de investidor arrojado.

Porém, talvez o valor que você economizou não seja muito elevado ou você não queira arriscar tudo de uma só vez em apenas uma ação. Para não perder a chance de aproveitar boas oportunidades, o investimento em um Fundo de Ações é uma ótima escolha. Os investidores aplicam nesse tipo de Fundo com o objetivo de diversificarem a sua carteira de investimento e ficarem menos suscetíveis às variações de preços de ações específicas, dado que o fundo, de forma geral, é composto por ações de diversas companhias. Além disso, podem contar com um gestor profissional que acompanha o mercado e busca retornos superiores a determinadas referências de mercado, como o Ibovespa.

Ao adquirir uma cota, você entrará em um grupo e todos os recursos serão aplicados em ativos variados do mercado de Ações. Com isso, o risco fica diluído, sem comprometer a rentabilidade.

Este tipo de investimento possui cobrança de taxa de administração e, em alguns casos, de taxa de performance. Portanto, fique atento às taxas cobradas, pois elas irão impactar na performance do fundo. A alíquota de IR é de 15%, sendo cobrada apenas no resgate e sobre os lucros, ajudando a consolidar um bom desempenho das finanças.

Essa é uma escolha muito adequada para o médio e longo prazo, além de fazer com que o montante dê maior robustez à sua carteira. Em todo caso, é importante lembrar que Fundo de Ações possuem volatilidade mais elevada do que outros títulos (maiores possibilidades de ganhos acima da média, mas também maior possibilidade de perda) e, portanto, você deve possuir um perfil compatível com esta característica.

Fundos Multimercados

Para proteger suas economias, é importante não escolher opções arriscadas, se não for do seu perfil. Assim, há menores riscos de você perder o valor que recebeu há pouco tempo. Mas, como visto, investir em renda variável por meio de Fundos de Ações, por exemplo, tem um potencial muito maior quanto à rentabilidade. Além dos Fundos de Ações, considere aplicar parte dos recursos nos Fundos Multimercados.

Os fundos multimercados, como o próprio nome diz, são aqueles que envolvem diversas modalidades de investimento. Os recursos podem ser aplicados em várias classes de ativos, como ações, moedas, commodities, juros e renda fixa (CDB, títulos públicos e privados) tanto no Brasil quanto no exterior. Ele pode ter características — performance, risco e liquidez — muito diferentes umas das outras, de acordo com cada estratégia, e pode ser uma ótima opção para quem busca uma diversificação de investimentos simples e prática.

É importante ressaltar que, investir em multimercados não significa necessariamente correr altos riscos, pois existem também as opções conservadoras. No entanto, é preciso ficar atento à estratégia que a gestora do fundo adota, pois ele poderá ser mais conservador do que alguns fundos de renda fixa ou muito mais agressivos que os fundos de ações. Para saber mais sobre qual estratégia está sendo adotada pelo gestor, consulte o prospecto do fundo. Este documento está disponível no site da CVM e poderá te auxiliar a entender como o seu dinheiro será investido.

Essa também é uma boa opção, especialmente, para quem tem um valor disponível maior, como a partir de R$ 10 mil. Assim, é possível alocar uma parte dos investimentos em renda fixa e outra em Fundos Multimercado, diversificando a atuação e melhorando o retorno financeiro.

Ao considerar essas possibilidades, saber onde investir o seu dinheiro deixa de ser um desafio. Como resultado, a carteira fica robusta e suas finanças ganham um reforço importante.

Gostou dessas dicas sobre o que fazer com aquele seu dinheiro que sobrou no final do mês? Então, compartilhe este post nas suas redes sociais e faça com que seus amigos também fiquem sabendo!

Pagou todas as contas e sobrou uma grana? Saiba onde investir o seu dinheiro
5 (100%) 1 voto