Como nem sempre o transporte público atende às necessidades dos usuários, é comum que as pessoas recorram aos veículos próprios. Visto que garantem autonomia e conforto, eles são uma escolha preferencial para muita gente. Mas será que, de fato, vale a pena ter carro?

O ponto é que essa aquisição traz gastos variados e prolongados, os quais devem ser conhecidos antes da compra. Graças a uma análise bem estruturada, torna-se possível ter um entendimento melhor sobre o que faz sentido para seu orçamento.

Se você quiser descobrir se vale a pena ter um carro, continue lendo e aprenda a comparar os valores envolvidos nesse cenário.

Quais são os custos com um carro?

O primeiro e mais importante gasto é o de aquisição do veículo. Dependendo da forma de pagamento, deverão ser consideradas também as taxas extras, como os juros do financiamento.

Obviamente as despesas não acabam simplesmente ao ter o automóvel no seu nome, é preciso lidar com diversas outras demandas que farão você mexer na carteira. Entre os pontos que merecem destaque, estão:

Combustível

Naturalmente, o principal e mais recorrente gasto após a aquisição é o combustível. Não importa se o carro é a álcool, diesel, gasolina ou flex, essa é a despesa de maior peso. A cada quilômetro rodado, há um custo e, consequentemente, quanto mais intenso for o uso do veículo, maior a conta  no final do mês.

Neste caso, precisamos levar em consideração a potência do veículo, já que dependendo da motorização do automóvel, o custo pode ser mais ou menos elevado. Outro fator importante é o valor e tipo do combustível, afinal, dependendo da situação econômica do país e região, a escolha entre álcool ou gasolina pode fazer diferença.

Documento do veículo

O documento do veículo, bem como sua regularização periódica, também são custos bastante relevantes. Quando a compra é de um automóvel 0 km, arcaremos com os valores de emplacamento e despachante. No caso de um seminovo ou usado, envolve a transferência legal do bem.

No  início do ano todos os proprietários de veículos, para manter a documentação regular, realizam o pagamento do IPVA, o qual pode chegar até 4% do valor do veículo, o DPVAT e taxa de licenciamento.  

Além destes custos anuais conhecidos, para que a documentação do veículo permaneça regular, precisamos ficar atentos às infrações de trânsito, que geram multas e cassação de documentos pessoais. Caso as multas não sejam pagas corretamente, o documento do veículo fica em situação irregular.

Manutenção e consertos

Para garantir a segurança e otimizar o desempenho do veículo, a manutenção preventiva deve ser considerada e feita periodicamente. Cada montadora possui um manual de uso e processos definidos, os quais devem ser respeitados. É importante colocar na conta de gastos o custo com lavagem e eventuais consertos. Manter o automóvel limpo e livre de arranhões é um costume da maioria dos motoristas.

Seguro e Estacionamento

Quando adquirimos um carro, normalmente pensamos em contratar uma seguradora para atenuar gastos com eventuais roubos e acidentes. Este custo talvez seja o mais variável de todos, pois depende do perfil de cada condutor, montadora do automóvel, bem como seu valor.

Este desembolso também é anual e pode ser diluído até 12 parcelas dependendo da seguradora escolhida.

Apesar de muitas pessoas optarem pela contratação de seguradoras, é comum a utilização de estacionamentos pagos ao invés de estacionar na rua. Este gasto pode, em alguns casos, ultrapassar o gasto com combustível, caso o condutor não possua este benefício na empresa em que trabalha, faculdade que frequenta ou se utilizar este serviço com frequência em seus momentos de lazer.

Troca do veículo e depreciação

É  natural que com o tempo surja a necessidade de fazer a troca do veículo por algum motivo específico. Com isso, há, novamente, o gasto com a compra.

Nesse momento, também vale a pena pensar na depreciação do carro sofrida ao logo dos anos. Isso porque, a partir da aquisição de um veículo, ele começa a desvalorizar. Na hora de vendê-lo, ou dar como entrada, provavelmente, obterá um valor menor do que o que foi pago.

A desvalorização do veículo depende de alguns fatores, principalmente da quilometragem rodada, qualidade da manutenção e histórico de acidentes. Sendo assim, quanto mais zeloso o proprietário for, melhor o valor de revenda.

Quando os aplicativos de motoristas particulares são alternativas?

A partir da avaliação do caso de cada pessoa, nem sempre vale a pena ter carro e recorrer aos serviços de transporte oferecidos por aplicativos pode ser interessante. Quem percorre pequenas distâncias diariamente, por exemplo, economiza ao utilizar esses serviços. O mesmo acontece com quem só usa o veículo esporadicamente.

Por outro lado, as pessoas que moram muito longe do trabalho, ou que usam o carro com intensa frequência, normalmente, se dão melhor com a posse de um automóvel.

Afinal, vale a pena ter um carro?

Para responder à grande pergunta, se é ou não interessante ter um veículo, é preciso olhar para as demandas de cada um.

Caso o automóvel seja parte indispensável do seu trabalho — como para ir até clientes — e se você recebe ajuda de custo do empregador, não ter um veículo não é uma possibilidade. Quem pega a estrada com frequência ou que prioriza a autonomia no deslocamento urbano também precisa desse bem.

Porém, não deixe de colocar tudo na ponta do lápis. Faça simulações com o seu uso no cotidiano e veja se, de fato, vale a pena ter carro ou se não seria melhor recorrer a um serviço particular.

Por que é importante fazer essa análise?

O maior benefício de realizar esse estudo sobre o seu cotidiano é entender que ter um carro pode sair muito caro. Mesmo sem perceber, você pode se ver gastando mais do que deveria ou gostaria. O comprometimento de recursos afeta a saúde financeira e, acima de tudo, evita o aproveitamento de boas oportunidades.

Ao recorrer à opção mais barata para o seu dia a dia, o maior benefício é que haverá uma economia nos valores. Assim, há uma quantia maior disponível, que pode ser aproveitada, por exemplo, na realização de investimentos.

Ao começar a investir, graças a esse alívio no orçamento, é possível ter um patrimônio líquido maior e segurança reforçada.

Vale a pena ter carro quando a sua rotina exige esse elemento. Do contrário, os serviços particulares fazem sentido. Eventualmente, a economia permitirá investir e reforçar as suas finanças!

Aproveite e compartilhe este artigo nas suas redes sociais. Quem sabe, assim, você não ajuda aquele amigo a ponderar os custos do veículo?

Vale a pena ter carro? Saiba comparar os custos e tire suas conclusões!
5 (100%) 1 voto