Quem se interessa por ações certamente sabe a importância de entender como funciona a bolsa de valores. A bolsa norte-americana, por exemplo, é a mais famosa do mundo. No Brasil, a BM&FBOVESPA, hoje B3, é a referência no que se refere à compra e venda de ações, contratos futuros de dólar, juros e a diversos outros produtos financeiros.

A bolsa de valores é, na verdade, um grande mercado onde são negociados determinados ativos. Simplificando, é como um supermercado comum, mas oferece produtos diferentes.

Quer saber mais sobre o assunto? Continue lendo e veja como funciona a bolsa de valores!

Como funciona a bolsa de valores

Na bolsa de valores, pessoas (físicas e jurídicas) se relacionam vendendo e comprando ativos financeiros. Caso um investidor se interesse por vender determinadas ações e outro investidor se interesse pela compra delas, a bolsa de valores é o ponto certo para a efetivação do negócio.

A sua principal finalidade é organizar as transações em um ambiente seguro, de forma que os investidores tenham certeza de que receberão o dinheiro da venda ou receberão as ações compradas.

Ou seja, a bolsa de valores garante a lisura das negociações e dos acordos, proporcionando segurança, eficiência e justiça às negociações.

Ela assegura, ainda, que as ações sejam armazenadas em um local com 100% de segurança. A Companhia Brasileira de Liquidação e Custódia (CBLC), uma empresa do grupo B3, é quem tem essa responsabilidade no país. Ao contrário do que as pessoas pensam, não são as corretoras que se responsabilizam por essa guarda.

A bolsa de valores no Brasil

Como falamos, a bolsa de valores do Brasil é a BM&FBOVESPA, que é a união da Bolsa de Mercadorias e Futuros (BM&F) com a BOVESPA (Bolsa de Valores de São Paulo). As demais bolsas de valores foram integradas à BM&FBOVESPA, como a bolsa do Rio de Janeiro, que foi a primeira criada no Brasil. E em 2017 com a fusão da BM&FBOVESPA com a CETIP surgiu a B3 (Brasil, Bolsa, Balcão).

O novo cenário na bolsa de valores

Para que o investidor aplique dinheiro (compra ou venda de ações) na bolsa de valores, ele precisa abrir conta em uma corretora de investimentos, também chamada de corretora de valores.

As corretoras são responsáveis pela distribuição das ofertas de ações e de títulos e realizam a mediação entre os negociadores (os compradores, os vendedores e a própria bolsa de valores).

É assim que funciona a bolsa de valores:

  1. uma determinada empresa oferece suas ações em troca de verbas para realizar projetos e investimentos — para fazer isso, ela deve se registrar na bolsa, “abrindo capital” e elaborando a lista de suas ações;
  2. tem início, então, o mercado primário: as corretoras oferecem as ações da empresa aos investidores que estiverem interessados no mercado;
  3. começa assim uma relação de oferta e demanda pelas ações — o investidor primário será capaz de vender suas ações, julgando que o valor delas poderá cair ou pelo fato de necessitar de dinheiro; outro investidor poderá adquirir essas ações, julgando que o preço delas vai assubir;
  4. o investidor primário lança uma ordem de venda de suas ações por meio da corretora, definindo o preço pelo qual pretende se desfazer de seus ativos. O sistema da corretora envia automaticamente essa ordem para a BOVESPA;
  5. o segundo investidor também envia uma ordem de compra usando sua corretora e especificando o valor que pretende pagar pelas ações, o preço que considera mais justo — da mesma forma, o sistema de sua corretora envia essa ordem para a BOVESPA;
  6. caso a ordem de compra e a ordem de venda alcancem a BOVESPA com valores iguais, a negociação é efetivada, dando origem ao mercado secundário.

Todas essas etapas acontecem em segundos, de forma muito rápida. A ferramenta que agiliza essa operação recebe o nome de Home Broker e, por meio dela, o cenário clássico da bolsa de valores (pessoas gritando, falando ao telefone e até brigando, como em uma feira)  deu lugar a um local mais enxuto e agradável, já que as negociações podem ser feitas eletronicamente, de forma automática, ficando registradas no grande computador da BM&FBOVESPA.

Operações e Negociações

Na bolsa de valores, podem ser negociados diversos ativos financeiros como ações, opções, futuros de juros, moedas e commodities.

De forma resumida seguem algumas características das operações em bolsa:

  • As negociações devem ser feitas por meio de corretoras, e atualmente há a facilidade dessas corretoras estarem em plataformas online, disponibilizando ferramentas que o ajude a acompanhar o mercado. É importante se atentar as taxas que cada corretora cobra pelo serviço oferecido.
  • Os horários para negociar cada ativo podem divergir. A pré-abertura equivale a um leilão de abertura da bolsa. Os investidores com interesse em comprar/vender poderão enviar ordens de lançamento de forma antecipada, mas a transação não poderá ser fechada até a abertura do mercado de ações.
  • A pré-negociação determina o preço de abertura do ativo, e esse valor não pode ser modificado depois que a ordem é lançada.
  • O call de fechamento equivale aos 5 minutos antes do encerramento, recebendo intenções de compra/venda para definir o preço de fechamento do ativo.
  • O after market se trata de um horário especial de negociação, no qual dá uma alternativa para os investidores que não conseguem participar do pregão diário da bolsa.
  • As formas de liquidação dessas negociações em geral é rápida e eficiente, envolve também as operações nas quais os investidores não pagam, nem recebem o valor total do negócio, mas só obtêm o lucro ou pagam o prejuízo.

É sempre importante lembrar que investir diretamente na bolsa de valores e obter êxito, requer que os investidores entendam profundamente o mercado e façam um acompanhamento constante da sua carteira. Se você quer investir em ações, por exemplo, é essencial saber a saúde financeira, estratégia, governança, etc. da respectiva empresa, além de precisar entender sobre macroeconomia e como afeta os mercados, principalmente se você deseja negociar futuro de juros e moeda.

Fique atento que grandes retornos dos ativos podem estar atrelados a riscos com grandes perdas, Quanto melhor a diversificação da sua carteira, menor será seu risco, não coloque seus “ovos numa só cesta” que pode ser muito arriscado.

Uma boa opção para aqueles que desejam diversificar e investir em ações, opções e futuros, porém não tem o conhecimento necessário, é contratar gestoras de recursos que oferecem fundos de investimentos com diversas estratégias que podem se encaixar no que você está buscando, como fundos de multimercados ou ações..  

 

Agora que você já entendeu melhor como funciona a bolsa de valores, aproveite para seguir as nossas redes sociais e ficar por dentro de todas as novidades: estamos no LinkedIn e no Facebook!

Veja como funciona a bolsa de valores
5 (100%) 3 votos